Um tempo atrás, antes de me interessar por street art e outros meios tradicionais, estava caminhando pela rua e me deparei com um artista pintando um mural enorme. Perguntei como ele fazia a escala de um desenho tão pequeno em uma parede tão grande. Ele disse que ela já tinha tanta experiência com isso, que o processo para ele era natural. Não fiquei satisfeito com a resposta simples, resolvi eu mesmo pesquisar melhor sobre o assunto. E hoje vou dividir algumas dicas com vocês de como transferir seu trabalho para escalas maiores.

Então o que vou mostrar hoje são algumas dicas que aprendi com minha própria experiência. Vou usar um projeto recente para que possa exemplificar e justificar o que vou dizer. Também gostaria de agradecer ao Juliano Araujo por algumas fotos muito legais que ele fez do projeto. O projeto que vou mostrar foi feito para uma casa noturna de Porto Alegre, RS.


Faça sempre um pré projeto

Alguns podem se perguntar "Ei, já fiz o desenho que vou escalonar, o que mais preciso fazer?", bem, primeiro você deve pensar que existem vários fatores que envolvendo a pintura de uma parade. Antes de começar a desenhar você deve SEMPRE visitar o lugar e pegar as medidas da parede e tirar algumas fotos. Por quê? Porque você pode fazer seu desenho do tamanho real ou escalonar no Illustrator ou Photoshop, e acredite, se você quer que o resultado fique como imaginou, a melhor opção é 'explorar a parede' antes de fazer seu desenho inicial.


Segunda dica: depois de ter a ilustração pronta, lembra das fotos que tirou quando visitou o lugar? Bem, coloque-as no computador pois é hora de fazer algumas simulações. No entanto, fique a vontade para fazer mais que apenas simulações 2D no Photoshop. Aqui é onde você entende como o público vai interagir com a arte.



Então sugiro fazer pelo menos uma simulação 3D simples. Você consegue fazer simulações simples e eficazes com aplicações como o Google Sketch Up. Com isso você terá um entendimento maior do espaço e da visibilidade da arte, o que é importante se ela estiver indoor, como no meu caso.



Faça um bom budget

Todos que já trabalharam com meios tradicionais sabem que é sempre bom fazer dois budgets para um projeto: um budget para os materiais e sua fatura. Sei que ninguém quer trabalhar sem ganhar nada, mas você não pode trabalhar sem ferramentas, então antes de mais nada você deve pensar em tudo que vai usar para o projeto - tinta, pinceis, etc. Uma das piores coisas que pode acontecer é você precisar parar um projeto por falta de material, então garanta que vai ter tudo o que precisa antes de começar. Pense primeiro nos seus materiais e depois no que vai cobrar.

Photo by Juliano Araujo
Photo by Juliano Araujo


Meça tudo

Lembra que falei que você deve medir a parede/local onde vai fazer sua arte e usar a mesma medida no Photoshop/illustrator? Isso vai ajudar muito na hora de transferir o trabalho. No meu caso precisei transferir as medidas de centímetros para metros, a parede tinha 2,6 x 3,7 m, então no Illustrator fiz meu trabalho com 26 x 37 cm. Pode parecer obvio, mas você precisar ter as medidas de todo elemento que puder, fazer as medidas e usar um grid vai ajudar bastante.

Photo by Juliano Araujo
Photo by Juliano Araujo


Use um GRID

Sou viciado em GRIDs, por quê? Pois eles deixam artes gráficas mais lógicas e organizadas. Mesmo quando estou fazendo uma ilustração, sempre faço um grid simples para pelo menos dividir os eixos X e Y. Então minha dica é que você faça o mesmo no seu projeto digital, dividindo a ilustração em setores, quase como peças de quebra cabeças. E na hora de ir para a parede, coloque fitas adesivas nela para reproduzir seu grid. Acredito, isso vai facilitar muito a execução da peça.

Photo by Juliano Araujo
Photo by Juliano Araujo


Escolha as ferramentas corretas

Ao lidar com meios offline você precisa entender qual ferramenta é melhor para cada superfície. Algumas paredes são mais mais lisas, outras mais texturizadas, e você precisa ter isso em mente enquanto planeja seu trabalho. Vou dar um exemplo: pensei em fazer o contorno dessa peça com uma 8k pen Uniball Posca, mas o que aconteceu foi que a caneta não fixou bem sobre a tinta então tive que fazer o contorno de uma maneira mais oldschool: usando pincel e a tinta das latas spray. Então quando planejar como vai fazer as coisas, sempre tenha um plano B.

Photo by Juliano Araujo
Photo by Juliano Araujo


Confie em técnicas simples

Uma vez, durante um workshop, um graffiteiro chamado Graphis ensinou uma maneira super simples de criar círculos perfeitos em paredes: usando um cadarço e um spray na outra mão ele fez um "compasso" girando a mão enquanto segurava o cadarço. Existem várias maneiras de fazer círculos. Você pode usar stencils, fazer a mão livre ou de outras maneiras, no entanto você deve sempre tentar simplificar as coisas, não apenas por necessidade mas para melhorar o resultado final. Algumas vezes, um pingo aqui ou um arranhão ali é o que deixam a arte realista e com o visual 'feito a mão'. Então lembre que estamos falando de uma arte manual, não de algo perfeito.

Photo by Juliano Araujo
Photo by Juliano Araujo


O Resultado Final

Bom, espero que tenham aprendido algo novo com a minha experiência e se quiser ver o processo completo dessa arte, veja o video abaixo, ele mostra o que expliquei aqui.


Lord of his own Kingdom from Marcos Torres on Vimeo.

Photo by Juliano Araujo

Photo by Juliano Araujo
Photo by Juliano Araujo

About the author of this post

I'm Marcos Torres, I'm a Graphic Artist from Brasil. You can know more about me at my Website, at my Tumblr or at my Flickr.